quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Incomun...



Me desculpe caro amigo

Mas eu sou poeta

Só não sei como em mim nasceu isto

Apenas vejo poesia em tudo que meus olhos alcançam

Seja na inocência de uma criança

Ou na guerra por conta da ganância...


Me desculpe caro amigo

Mas este espírito chamado poesia

Foi formando em mim uma alegria

Alegria de ver o lindo em tudo

Até nas coisas mais feias deste mundo...


Me desculpe aos que mais aprofundados são

Se por vezes eu fujo da métrica

Ou quem sabe de outra razão

Mas nem tudo pra ser lindo necessita rima

E por vezes até mesmo a rima

Destorce o que entendemos por emoção...


Me desculpe caro amigo

Mas talvez seja por conta deste meu coração mole

Que um dia me ensinou a pedir e doar perdão

Ou estes olhos cansados que resistem em acreditar

Que mesmo no que seja ruim há seu lado bom...


Me desculpe caro amigo

Mas tudo nesta vida me inspira

Seja a lua enorme que brilha

Ou a dor da solidão

E a poesia em muito me anima

E me faz mais forte do que eu era até então...


Me desculpe caro amigo

Mas nem sempre uso palavras difíceis

Pois por vezes preciso ser simples

Para expressar o que deseja meu pobre coração...


Me desculpe caro amigo

Mas ainda que escrevesse um livro

E fizesse isto como meta

Jamais conseguiria lhe fazer entender

O que realmente se passa no coração

De um poeta...


.

3 comentários:

Anna disse...

Muito boa! :)

Anorkinda disse...

Me desculpe, meu caro amigo,mas sigo te amando....bjaçosssss

FELIZ ANO NOVO!!!!!!

Felipe Wagner disse...

excelente.
me identifiquei com ela. Parabéns e obrigado por enriquecer com suas palavras.